sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Novus ordo seclorum


ontem a noite eu acordei com uma sede danada
vi tempo se entender e o dia nunca deu em nada
vi um mundo novo a enxergar a ilusão
novos sábios sapos larápios ratos de porão
segue população ao emblema do novo seculo de prisão

ontem estava escrito no jornal
testar poder de força assunto nacional
quem tem mais bomba
explode tudo fecha conta

somos o que somos vomitamos a esperança
só dormimos bem quando enchemos nossa pança
secar mar atingi o naufrágio e frágil ver o lado miserável
ver como somos irracionáveis deixar corpo enfrente a mares

só por uma simples questão
no meu terreno ninguém entra o mundo em divisão
mais somos donos então devolve
na mão dos dinossauros era tudo mais top

e a ordem sempre em aquisição
mete marcha a vilania conspira contra o vilão
mesmo tempo em que a guerra e a verdadeira fonte de renda
quanto mais mortos mais bilheteria no cinema

enquanto isso no culto da cidade
homens fingem ser semelhantes
voto sim maioridade
filhos atrás das grades