segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Decifrando as Profecias da grande pirâmide.

Para decifrar o enigma da Grande Pirâmide temos que dispor da chave, que é simplesmente a medida utilizada. Para os piramidólogos, a "braça sagrada" foi a unidade que presidiu a construção, e consideram que é equivalente à décima milionésima parte do raio polar da terra. Expresso em metros, a "braça sagrada" teria um comprimento de 0,635660, sensivelmente maior que a braça convencional, e por sua vez se dividia em 25 "polegadas piramidais". Temos de ter bem -presente que nada teria sentido se não nos servissemos destas magnitudes.

A história do homem se inicia na entrada da siringa; em uma data que se corresponderia com o ano 4.000 antes de Cristo, o ano zero da pirâmide. A partir daqui, polegada a polegada, estão refletidas zelosamente as datas destacáveis do caminho da humanidade.

Também a direção e dimensões dos corredores têm sua simbologia; assim, o primeiro tramo descendente está expressando a descida do homem, sua degradação, que encontra seu caminho de elevação no corredor ascendente.

E precisamente na intersecção de corredores descendente e ascendente onde está assinalada a primeira data importante, o ano 2.513,555469 da pirâmide, que corresponde com o 4 de abril de 1486 antes de Cristo, data do êxodo de Israel.

O nascimento e a morte de Jesus Cristo

A partir desse ponto começa a marcha ascendente da humanidade, como se vê, multo relacionada com os acontecimentos vividos pelo povo judeu. Seguindo o corredor ascendente, símbolo do caminho para a luz espiritual, encontramos outra data fundamental: está situada um pouco antes de que o corredor se abra à grande galeria e corresponde ao ano 3.996 da pirâmide, o dia 15 do mês de Tisri (sábado, 4 de outubro, segundo o ano gregoriano) do ano 4 antes de nossa era; data que, segundo sustentam os piramidólogos, é a autêntica do nascimento de Jesus.

A grande galeria ostenta também o nome místico de "A época do Salvador da raça humana" e se inicia no dintel (verga superior de porta ou janela) deste espaçoso corredor com a data chave do cristianismo, 7 de abril do ano 30 do calendário juliano, momento da morte de Cristo. Não deve surpreender o fato de que Jesus Cristo seja um personagem chave nesta terminologia, pois é assegurado que os antigos sacerdotes egípcios conheciam as antigas profecias sobre a vinda do Messias ao mundo e parece que em base a elas elaboraram o culto a Osíris, que apresenta muitas coincidências com Jesus.

A câmara do rei

Se a busca do espiritual por parte do homem está simbolizada na grande galeria, é justo que o final da busca coincida com o final desta. Ali se abre a entrada que dá passagem à câmara do rei. A distribuição é a seguinte: primeiro, um corredor baixo e curto, que dá passagem à antecâmara ou câmara dos rastelos; desta, e através de um segundo corredor baixo, similar ao anterior, se passa à câmara do rei, chamada também "câmara do mistério da tumba aberta do Grande Oriente" ou "Juízo das Nações". Vejamos as datas situadas em cada um destes espaços.

A primeira guerra mundial

A entrada do primeiro corredor baixo corresponde ao 4-5 de agosto de 1914, princípio das tribulações da época trágica da humanidade; o final do corredor assinala o 10-11 de novembro de 1918. Em continuação a essa data se abre a antecâmara, chamada também "A trégua do caos", simbolismo claro da relativa tranqüilidade que viveu o mundo após a primeira guerra mundial, uma trégua que dura o mesmo que o comprimento da antecâmara, até 1928, data que coincide com o princípio do segundo corredor baixo. Somente oito anos da história estão registrados neste corredor; os compreendidos entre 1928 e 1936, já que, coincidindo com este último ano terminam os corredores e se chega à câmara do rei, espaçosa e atormentada, cenário dos últimos acontecimentos da humanidade prévios ao final. Antes de penetrar nela convém assinalar a importância do ano 1936, data dramática para os espanhóis, que muitos avaliam como início efetivo da segunda guerra mundial, e que em qualquer caso é o início do fim.

Vivemos momentos de transição

Não em vão, a câmara real, a qual se tem acesso depois desse 1936, recebe também o nome de "Retorno à verdadeira luz que vem do Oeste", ou o igualmente sugestivo "Sala de Juízo e da purificação das nações". E uma etapa estranha, inquietante, castigada de acontecimentos confusos. Nela, o homem parece despertar de um longo sono, mas com a angústia de ignorar onde abrirá os olhos e se o longo dia que começa será bom ou difícil. Se trata da convulsão ancestral que traz a mudança de era, neste caso a passagem de Peixes a Aquário. Tudo isto é certo, ou presumivelmente certo, mas não justifica a cronologia da Grande Pirâmide, já que, segundo o interpretaram os piramidólogos, essa época de mudança, de transição traumática, deveria ter concluído em 1962. Neste ano, sempre segundo os piramidólogos, deveria ter sido iniciada a reconstrução espiritual da humanidade, reconstrução que culminará no ano 2001. Ainda que dentro das interpretações piramidológicas exista desacordos. Não em vão a interpretação da lingua
em em pedra é difícil, para não dizer francamente subjetiva. Assim Davidson avalia em forma diferente as medidas da câmara real e atribui à época da desordem e desorientação uma duração desde 1936 a 2030, data na qual termina a mensagem da pedra.

2001-2030. O fim

De certo, a mensagem da Grande Pirâmide se traduz em um fim do mundo situado entre os anos 2001 e 2030, bem entendido que esse fim não é total. Provavelmete, o término de uma etapa signifique a luta de duas ideologias, algo que já está acontecendo: o defrontamento entre os que se identificam com o passado e os que situam sua meta no imediato futuro, um enfrentamento sangrento, possivelmente catastrófico, mas não definitivo. Segundo a Grande Pirâmide, após a tempestade virá a calma, a ordem, o que é o mesmo, o nascimento de um homem novo, de uma espiritualidade nova. Assim, seja. E uma profecia muito completa; mas existem outras